Intolerância a probióticos, é possível? Entenda

Assim como existe a rejeição ao leite, pode acontecer a intolerância a probióticos? E os iogurtes que contêm as “bactérias do bem”, são aceitos pelos organismos mais sensíveis aos produtos lácteos? Vem comigo, eu explico!

Quando vemos um item no qual está escrito “contém lactobacilos vivos”, às vezes, nem sabemos direito do que se trata, não é mesmo? Mas isso quer dizer que o produto é composto por probióticos, ou seja, “bactérias boas” que ajudam nosso intestino a funcionar melhor.

Ao proteger a flora intestinal da proliferação exagerada das “bactérias do mal”, os probióticos favorecem a absorção de nutrientes e, portanto, a saúde como um todo.

Mas será que existe intolerância a probióticos, tal qual ocorre com o leite? A boa notícia é que a grande maioria dos portadores de rejeição à lactose pode consumir alimentos contendo probióticos, isto é, não têm problemas como a intolerância a probióticos.

O motivo é simples: no próprio alimento, as bactérias começam a “quebra” da lactose, facilitando sua digestão. Com isso, a pessoa pode aproveitar os inúmeros benefícios atribuídos aos probióticos. Os principais são:

  • Alívio da prisão de ventre
  • Aumento da absorção de minerais
  • Diminuição de micro-organismos maléficos através da produção de substâncias bactericidas e de outros compostos antimicrobianos
  • Equilíbrio da microbiota intestinal, graças à competição com bactérias prejudiciais
  • Estabilização da flora intestinal após o uso de antibióticos
  • Estimulação do sistema imunológico
  • Melhora na produção de vitaminas
  • Redução da população de bactérias nocivas por meio da produção de ácidos (acético e lático)
  • Possível redução da probabilidade de câncer de cólon
  • Provável diminuição das concentrações plasmáticas de colesterol

Aviso: este post tem a função de informar. Não substitui consultas e prescrições médicas ou de nutricionistas. Consulte sempre um profissional especializado antes de recorrer a suplementos alimentares ou medicamentos.

Intolerância a probióticos: iogurte, pode?

Mas, afinal, os iogurtes estão liberados para os intolerantes à lactose ou são um perigo para quem pode apresentar intolerância a probióticos também?

Em geral, nos iogurtes, a lactose é transformada em ácido lático, passando a ser capaz de degradação pelos sensíveis a ela. Porém, nos incontáveis potinhos disponíveis hoje nos supermercados, os integrantes da turma dos laticínios costumam confundir.

Portanto, lembre-se: nem tudo o que parece iogurte é, de fato, iogurte. Por exemplo: petit-suisse é um tipo de queijo. Então, é bom ficar atento às embalagens, pois, para entrar na categoria iogurte, é necessário ter as bactérias Streptococcus thermophilus e Lactobacillus bulgaricus.

A dupla acima é responsável pela origem do iogurte, fazendo com que possa servir até para quem tem disfunção na produção de lactase, uma vez que o alimento é transformado em ácido lático pelos “bichinhos”. O resultado é a queda no nível desse açúcar e, ainda, no risco de desconfortos típicos dos intolerantes.

Para inibir incômodos da intolerância a probióticos e coisas do gênero, o recomendado é adquirir o iogurte natural, sem corantes e aromatizantes.

Além de evitar possível intolerância a probióticos, quando o produto é realmente iogurte, consegue entrar para a categoria de alimento de alta densidade nutricional. Isso quer dizer que traz porções generosas de proteínas, cálcio e outros minerais em um pequeno volume.

Não é à toa que pesquisas no mundo inteiro indicam que incluir iogurte na dieta diminui o risco de osteoporose, obesidade e doenças cardiovasculares. Sem falar na vantagem dele para a imunidade.

E se você quiser adicionar vitaminas, é só colocar frutas como morango e banana no iogurte natural. Elas combinam muito bem com o gostinho levemente ácido e a textura dele.

Como você viu aqui hoje, a intolerância a probióticos não costuma afetar os portadores de intolerância à lactose. A razão seria o simples fato de as bactérias iniciarem a “quebra” da lactose no próprio alimento probiótico, facilitando sua digestão.

Assim, dá para saborear itens como o iogurte, e obter dele os diversos benefícios associados aos probióticos. Pelo menos, é um panorama geral; talvez não seja dessa maneira para todos. Por isso, na dúvida, consulte seu médico, ok?

Até o próximo artigo!

 

Imagens: Pixabay

Leave a Reply